Arquivo

Archive for janeiro \25\UTC 2013

Adeus iPhone, já vai tarde

janeiro 25, 2013 Deixe um comentário
iPhone 3GS

iPhone 3GS

Tenho um iPhone há alguns anos, comprei porque achava que era a melhor opção do mercado, seu único concorrente de peso seria uma versão mais nova do mesmo. Sendo usuário, entusiasta e defensor do Software Livre, algumas pessoas chegaram a me questionar pela escolha, mas não dei atenção e segui feliz com minha aquisição.

Pouco tempo depois resolvi ‘libertar’ meu telefone, usei o jailbreak e fiquei ainda mais feliz, afinal agora tinha o controle, poderia instalar o que quisesse e a Apple não poderia fazer nada. Foi na mesma época que aposentei meu mp3 player, apesar de gostar muito dele e ser prático, usar o telefone me livrava de carregar um aparelho a mais, bem pequeno (do tamanho de um pen drive), mas um aparelho a mais, que ainda exigia recarregar a bateria de tempos em tempos.

Me deparei com a única coisa que me incomodava na época a respeito do iPhone, a necessidade de usar o iTunes para gerenciar os backups e gerenciar a coleção de músicas que ouviria no carro. Como não uso windows e não tenho acesso a nenhum mac, isso com certeza seria um problema. Instalei no trabalho, mas a coleção de músicas ainda era problema.

Instalei uma versão do windows 7 com a desculpa de jogos e conseguir usar o iTunes, escolhi uma boa coleção de músicas e pude ficar um bom tempo sem pensar nisso. Quando a coleção já precisava de uma reciclada, fui fazer a troca e descobri que meu windows não bootava, levei mais de 6 meses para reunir coragem e instalar de novo (hoje acho um processo extremamente chato e demorado, instalar e configurar o windows, tudo é difícil, tudo demora, tem o problema da segurança, anti-vírus, drives de vídeo, de áudio, simplesmente sem sentido fazer isso).

As novas versões do iPhone vieram e pensei em trocar, afinal, se fizesse a atualização do sistema, perderia o jailbreak e teria de instalar tudo de novo e vi muita gente reclamando que o modelo do meu iPhone, se atualizado, ficaria muito lento, praticamente me obrigando a comprar outro. Depois de resistir um pouco resolvi que trocaria mesmo, mas com o avanço dos telefones com Android tive de considerar outras possibilidades.

Comecei a pesquisar e acabei decidindo não comprar outro iPhone, mas o preço dos concorrentes não era muito menor, se ia trocar não seria por algo inferior, na verdade também não seria inferior ao melhor iPhone também. Isso me deixava poucas opções e acabei decidindo que quando trocasse seria pelo Samsung Galaxy SIII, só faltava a coragem de desembolsar mais de R$ 1.500,00. Como o melhor da Apple estava mais de R$ 2.000,00, ainda que fosse bastante ainda estava fazendo um bom negócio.

Troquei antes o de minha digníssima, também queria um com Android e por conta da câmera de 5 megapixel, escolheu o Galaxy SII Lite. Achei bem interessante e deveras impressionante, apesar de não ser minha escolha, mesmo que minha escolha tenha me parecido um pouco grande demais. Ajudei a configurar, transferir os dados, o que me impressionou, já que tudo foi muito fácil e rápido, usando o Bluetooth.

Samsung Galaxy SII

Samsung Galaxy SII

Nem tinha o costume de usar o Bluetooth, já que a tecnologia Apple não permite que faça troca de arquivos diretamente sem intervenção do iTunes. Na verdade só passei a usar essa tecnologia quando troquei de carro e o novo tinha comunicação Bluetooth para ligações e ouvir músicas (aposentei outro aparelho, o transmissor FM).

Como nem tudo são flores o SII deu defeito e minha esposa teve de esperar quase um mês pelo conserto e ainda perdeu todos os dados, já que ela não faz backups. Pouco tempo depois o telefone dela desligou de novo, sem motivo, a assistência técnica não encontrou qualquer defeito, o que deixou ela muito revoltada, tanto que desistiu do telefone, queria o antigo de volta, mas já tinha dado a uma amiga.

De tanto ela reclamar, ofereci meu iPhone a ela, que ela sempre achou muito legal, e arrisquei ficar com um telefone que poderia parar a qualquer momento, meu primeiro contato com o Android. Sincronizei meus contatos com a agenda do Google (único jeito que conheço para transferir pelo menos essa parte dos dados) e fui me aventurando, mesmo que penando a princípio, com uma tecnologia que  rapidamente começou a me parecer bem familiar.

Apesar de minha esposa ter ficado de verdade com o telefone pouco mais de 3 meses, ela acha irreconhecível depois que está comigo, também achou impressionante o telefone fazer tanta coisa, com tantos aplicativos que instalei. O único problema até agora é espaço, tendo apenas 4Gb de espaço útil, mais 2Gb para aplicativos, fico bem limitado com minha coleção de músicas, mas é bem difícil achar que vou voltar a usar um iPhone.

A liberdade é ótima e quando você experimenta não quer mais pensar em voltar atrás. Tudo que era bonito e funcional, agora parece trivial e as limitações não deixam a menor saudade. Encontrei substitutos para todos os aplicativos que usava, achei um monte de outros que não tinha e já estou mirando no SIII, quem sabe o SIV. Foi bom enquanto durou, mas agora estou como queria, Linux no computador e no telefone.

Anúncios

Fedora 18, Spherical Cow? Mesmo?

janeiro 25, 2013 Deixe um comentário

F18-alpha-wallpaper-normalish-i

Com o lançamento do Fedora 17, codinome Beefy Miracle, como descrito no último post, expressei meu medo de que um nome ainda pior poderia vir, devia ter ficado de boca, ou blog, fechado. Spherical Cow realmente superou minhas expectativas mais pessimistas de pra onde esse processo está indo.

Deixando a decepção de lado, voltemos às impressões causadas pela versão, aquela-que-não-se-deve-nominar. Houve grandes mudanças, inclusive o instalador reescrito do zero, o que gerou um atraso nunca visto para um lançamento, de novembro passou a janeiro do ano seguinte. Não sei nem qual será o impacto nos próximos lançamentos se maio e novembro serão mantidos ou se tudo vai ser atrasado em 3 meses. A nova cara do anaconda:

fedora18

Anaconda na tela principal

Dessa vez, por conta da demora toda para o lançamento da nova versão, instalei o Fedora 18 Beta e cheguei a ficar usando por alguns dias, mas principalmente pela falta dos pacotes do rpmfusion (umas outras coisas, mas com menor importância), preferi voltar a usar o 17, que mantive funcionando em outra partição.

As diferenças no instalador são muitas, mas nada que alguém que já tenha instalado umas 3 ou 4 distros diferentes não dê conta com um pouco de atenção. Não há necessidade de consultar qualquer material se tem alguma experiência com instalações Linux, se não é o caso, já existem diversos tutoriais por aí explicando isso.

Duas coisas me incomodaram bastante nessa mudança no anaconda (o instalador), a configuração do teclado e a personalização dos pacotes. A primeira procura facilitar a escolha do teclado, mas o faz de maneira descuidada, eu explico, não seleciono mais os modelos de teclado, aceito a escolha automática combinada com a escolha de idioma ou escolho numa lista curtíssima (apenas 6 para português do Brasil), que para o meu caso, por exemplo, não atendem. Ao invés de selecionar um layout de teclado, baseado na minha escolha de idioma tenho algumas escolhas, das 6 que me deram, a que mais se aproxima do meu é o teclado português brasileiro, sem outras especificações.

Isso deixa uma monte de teclas ‘mortas’ e pelo menos no ambiente Gnome, impede a acentuação gráfica. Quase voltei à versão 17 só por esse problema, mas minha surpresa ao ver que usando o KDE, como é de minha preferência, ainda posso escolher o teclado pelo layout e não tenho qualquer outro problema com isso, me fez permanecer.

O segundo problema do instalador é que a opção de personalisar a escolha de pacotes foi eliminada e apenas a opção do perfil principal se manteve, isso permite escolher entre Gnome Desktop, KDE Plasma Workspaces, XFCE Desktop, LXDE Desktop, Suger Desktop Enviroment, Development and Creative Workstation, Web Server, Infrastructure Serve e Minimal Install. As opções são mutuamente excludentes e os pacotes selecionados em uma opção não ficam selecionados se a opção for alteraada. As duas próximas imagens mostram a diferença entre a tela antiga e a tela nova.

Anaconda versão antiga

Anaconda versão antiga

anaconda versão nova


Anaconda versão nova

Ao selecionar uma opção qualquer o usuário poderia ou personalizar cada pacote, agora não pode mais e ainda é impedido de selecionar pacotes de outra opção, o que limita muito a instalação e torna o DVD completo uma opção inútil, já que há uma spin do Fedora para cada uma dessas opções e não há como instalar pacotes de mais de uma delas. Parece pouco inteligente e também muito com o comportamento de instalações de softwares proprietários.

Depois de ter ficado bastante desapontado com a escolha do nome e depois com os problemas decorrentes da alteração no instalador, foquei positivamente, na instância que acara de instalar na partição principal, com a partição /home do meu usuário. Fiz as instalações de costume como quando mantinha a Wiki do Fedora, para ver se todas as alterações pós-instalação estavam funcionando bem antes de atualizar a wiki. Tudo correu bem, fora alguns problemas com o yumex, que aparentemente já resolvi.

E como disse numa discussão com usuários Fedora numa lista há uns dias atrás, comentando esses problemas, ‘Enfim, apesar de tudo acho melhor o Fedora ainda e sempre gostei do RH mesmo’. Acho q é coisa de fanboy, mas talvez demore a achar uma distro que me satisfaça, aí vou reclamar de tudo que o Fedora tem mudado e os usuários não tem gostado, mas vou continuar usando.